COVEN DE TOMAR

Coven de Tomar Logo.png

TRADIÇÃO ALEXANDRINA DA WITCHCRAFT

LINHA DE QUEENSBERRY

6th.png

VOCABULÁRIO

Existem várias palavras que são ou foram tomadas pela wicca eclética e pelos praticantes mais modernos e que de certa forma perderam o seu significado original, tal como o apresentamos aqui nos nossos textos. Para clarificar, fica aqui uma lista de várias palavras que dizem respeito à wicca tradicional e em especial à forma como as aplicamos aqui. Estes significados concordam com duas origens:

1. Como foram aplicadas originalmente por Gerald Gardner (fundador da wicca tradicional).

2. Como foram aplicadas por Alex Sanders (cofundador da Tradição Alexandrina) e como foram ensinadas no nosso treino original. 

Estes dois parâmetros guiam o significado das palavras usadas nos nossos textos e esperamos que este vocabulário possa restaurar alguns dos significados originais de palavras que hoje em dia se usam em meios que não aqueles nos quais foram criadas.

Esta secção do nosso site vai ser sempre atualizada - fica aqui a data da última atualização - 9 de agosto 2022

WICCA OU WICA

No inglês arcaico, o termo wiċċa era um substantivo masculino para feiticeiro e wiċċe era sua contraparte feminina. Eles são génese da palavra witch ou bruxa no inglês moderno. Assim, o termo na lingua inglesa moderna Wicca tomou como base a palavra wicca do inglês antigo, embora as duas sejam fundamentalmente duas palavras distintas com diferentes significados, pronúncia e uso gramatical, com quase um milénio entre os seus respetivos florescimentos.

A Doutora Ethan Doyle White, autora e catedrática que escreve sobre religião, história, arqueologia e folclore, sugere que os primeiros praticantes de wicca adotaram o termo wicca como base para o nome desta sua nova religião porque esta tomou "iconografia e inspiração" nos cultos politeístas da Grã-Bretanha pré-cristã.

A Dra. Ethan Doyle White diz no seu artigo "The Meaning of "Wicca": A Study in Etymology, History and Pagan Politics", na publicação The Pomegranate: The International Journal of Pagan Studies12 (2): 185–207:

"Ao contrário de uma afirmação que é frequentemente usada nas comunidades pagãs e ocultas hoje, Gerald Gardner, o fundador da Bruxaria Gardneriana e a face pública do movimento durante o final dos anos 1950 e início dos anos 1960, não se referiu à sua tradição da Arte como "Wicca", e não há de fato nenhum momento onde se regista o uso de Gardner desta palavra. Em vez disso, ele refere-se à sua religião como "o ofício dos sábios", "feitiçaria" e "o culto das bruxas", ["the Craft of the Wise", "witchcraft", and "the witch cult"] o último dos quais foi provavelmente tirado do título do texto proto-wiccano da egiptóloga Margaret Murray, The Witch-Cult na Europa Ocidental (1921).

 

Ethan Doyle White, 2010"

Gardner usou o termo Wica, que ele sempre escreveu com apenas um "c" nos seus escritos, mas isso não se referia à religião, mas sim aos praticantes da religião num sentido plural.

"O que são [as bruxas] então? São as pessoas que se auto-denominam Wica, as "pessoas sábias", que praticam os ritos ancestrais e que, com muita superstição e conhecimento de ervas, preservaram um ensino oculto e de processos de trabalho que eles mesmos consideram mágicos ou feitiçaria."

 

 Gerald Gardner, Witchcraft Today (1954)

No seu livro The Meaning of Witchcraft (1959), Gardner afirma que ouviu pela primeira vez o termo Wica durante a sua iniciação  no coven de New Forest em setembro de 1939, afirmando que "percebi haver encontrado algo interessante; mas eu estava meio do processo de iniciação, quando a palavra Wica, a qual eles usavam atingiu-me como um raio, e foi nessa altuar que eu soube onde estava e que a Antiga Religião ainda existia."

 

Este relato foi repetido na sua biografia, Gerald Gardner: Witch (1960), escrita por Idries Shah, mas atribuído a Jack L. Bracelin, onde ele é citado dizendo que "estava no meio do caminho quando a palavra Wica foi mencionada pela primeira vez; e eu sabia que aquilo que eu pensava se ter queimado centenas de anos atrás ainda sobreviveu".  Se o relato de Gardner fosse preciso e o coven de New Forest realmente existisse, então o fato de Gardner soletrar a palavra como Wica não indicaria necessariamente que os membros do coven a escreveram da mesma maneira. Como Shah relata, a partir do relato de Gardner, "parece que ele mais ouviu do que leu a palavra no meio do seu rito de iniciação" e que, "sofrendo de uma má compreensão da ortografia, pontuação e gramática, algo causado pelo fato que ele foi autodidata e possivelmente também influenciado pela dislexia", ele teria, portanto, soletrado a palavra foneticamente como Wica.

A Dra. Ethan Doyle White esclarece:

"É evidente que Gardner usou o termo "Wica" com uma grafia muito específica para se referir aos membros da religião da Bruxaria Pagã (e não apenas à sua própria tradição) como um grupo, e talvez também individualmente, e acreditava que a palavra havia sido usado pelos membros desta religião desde o período medieval."

O termo Wicca parece ter se desenvolvido na comunidade de bruxaria pagã durante o início dos anos 1960, à medida que um número crescente de bruxas pagãs aprendeu sobre o termo em inglês antigo wicca, a origem etimológica do termo moderno bruxa. Este fato etimológico foi referido cinco vezes no livro de Gerald Gardner, The Meaning of Witchcraft (1959), bem como em outros textos antigos que propagam a bruxaria pagã, como Where Witchcraft Lives (1962), de Doreen Valiente, e Witchcraft, The Sixth, de Justine Glass. Sentido – e nós (1965). Nenhum deles se referiu especificamente à religião da Bruxaria Pagã como "Wicca".

 

A mais antiga referência publicada para a palavra Wicca está num anúncio publicado numa edição de 1962 da revista Fate; neste, um grupo de bruxas pagãs baseado em Cardiff anunciou uma tradição descrita como "Wicca-Diânica e Aradiana". O anúncio pode ter estado ligado a Charles e Mary Cardell porque Mary supostamente nasceu no País de Gales e a Bruxaria Cardelliana aparentemente venerava uma Deusa sob o nome de Diana. No entanto, muitos grupos de feitiçaria pagã teriam adotado o nome de divindade Diana e Aradia, sendo estas as Deusas apresentadas no suposto relato do folclorista Americano Charles Leland em relação a uma tradição de bruxa toscana, Aradia, ou o Evangelho das Bruxas (1899). Outro uso inicial pode ser encontrado a partir de dezembro de 1965, na penúltima edição do Pentagrama, o boletim da Witchcraft Research Association. Aqui, uma pequena coluna sobre o Dia das Bruxas fazia referência ao "Ofício da Wicca", aparentemente referindo-se a toda a comunidade de feitiçaria pagã. O nome do autor não foi impresso, embora provavelmente tenha sido produzido por uma das figuras envolvidas na edição do Pentagrama, como Gerard Noel ou Doreen Valiente. Em julho de 1968, um grupo de Gardnerianos britânicos começou a publicar uma revista intitulada The Wiccan, enquanto o galês Gavin Frost fundou a Igreja da Wicca nos Estados Unidos naquele mesmo ano.

 

Na década de 1960, o iniciado Gardneriano Alex Sanders fundou a sua própria tradição, que ficou conhecida como Wicca Alexandrina; ele usou os termos "Wicca" e "os Wicca" quando se referia a toda a religião da bruxaria pagã. Um dos iniciados de Sanders, Stewart Farrar, descreve a Wicca como "o nome que as bruxas dão ao seu ofício" no seu livro What Witches Do (1971). A ampla adoção da palavra Wicca em referência à feitiçaria pagã teria trazido benefícios aos seus praticantes, que foram amplamente difamados e enfrentaram vários graus de perseguição por da prática de "bruxaria", um termo  frequentemente associado ao satanismo que tinha conotações negativas na imaginação ocidental. Doyle White argumentou que a representação dos praticantes como praticantes de wicca ao invés de praticantes de bruxaria removeu parte do estigma social que que estes enfrentaram durante anos.

O LIVRO DAS SOMBRAS

Gardner's_Book_of_Shadows_front.JPG

O Livro das Sombras de Gerald Gardner - contendo os seus rituais - foi deixado, após a morte de Gardner à Sumo Sacerdotisa Doreen Valiente

Alex Maxine BIS.jpeg

O Livro das Sombras de Alex Sanders contendo os rituais Alexandrinos. O livro assemelha-se de forma inequívoca ao livro Gardneriano

Um Livro das Sombras tradicional, é um livro que contém textos litúrgicos e instruções para rituais mágicos encontrados na  Wicca Tradicional.  O mais famoso Livro das Sombras foi criado pelo pioneiro Gerald Gardner (ver exemplo acima) no final dos anos 1940 ou início dos anos 1950, e que ele utilizou primeiro no coven de Bricket Wood, de forma primaria e depois noutros covens que ele fundou nas décadas seguintes, tendo este sido desenvolvido e acrescentado ao longo dos anos. O Livro das Sombras Alexandrino (ver foto acima), de origem Gardneriana, visto Alex Sanders ter sido iniciado Gardneriano em 1963, também é usado pela Tradição Alexandrina da mesma forma. Com o surgimento de livros e publicações ensinando as pessoas a começar a seguir a Wicca não iniciática e eclética na década de 1970 em diante, a ideia do Livro das Sombras tomou uma forma completamente diferente da original Alexandrina e Gardneriana.

 

Esta versão personalizada do "Livro das Sombras" era definida como um "livro de anotações, um livro de receitas e de feitiços pessoais, colecionadas durante vários anos." Esta definição de livro das sombras que reside entre praticantes solitários ou grupos ecléticos, desconectados de tradições iniciáticas anteriores, foi um dos principais pontos de diferença óbvia entre um livro secular, passado e copiado em segredo apenas por iniciados de forma inalterada na wicca tradicional, para um livro de anotações mágicas pessoais da wicca eclética. 

 

Nestas tradições ou práticas da wicca eclética e entre vários praticantes solitários, foram escritas versões alternativas do "Livro das Sombras", independentes do original de Gardner e de Sanders. O livro original, tal como Gardner e Sanders os criaram e usaram, está apenas acessível aqueles que passam pelos ritos de iniciação da tradição, e que o copiam à mão.